Pesquisa Acadêmica: 5 Fontes Confiáveis na Área do Direito

Tempo de leitura: 4 minutos

Chegou a hora de escrever o seu primeiro artigo científico na faculdade de Direito e bate aquela dúvida: onde eu pesquiso isso? Quais são as boas fontes de pesquisa acadêmica?

Pois é. Nem sempre o Google Acadêmico irá te salvar.

Um bom artigo ou trabalho de conclusão de curso, a temida monografia, depende de uma excelente pesquisa acadêmica para dar base à sua argumentação. Para isso, é necessário que você tenha acesso a boas fontes.

Hoje no blog da FADISMA, com a colaboração Coordenadora de Monografia, Pesquisa e Extensão, professora Nathalie Kuczura, listamos cinco fontes confiáveis (e boas!) para a pesquisa acadêmica no Direito.

Vamos lá?

1. Portal de Periódicos da CAPES

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma fundação vinculada ao Ministério da Educação. Ela é responsável pela divulgação e pelo acesso à produção científica, bem como pela avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu em todo o Brasil.

Não sabe o que significa stricto sensu? Nós já explicamos em outro post aqui no blog!

O Portal de Periódicos da CAPES possibilita a pesquisa acadêmica por assunto, por livro, por periódico ou por base/área do conhecimento – neste caso, o Direito. Ele foi implementado pelo Ministério da Educação no dia 11 de novembro de 2000, na mesma época em que nasciam as bibliotecas virtuais e tornou-se prática a digitalização das publicações.

“Este é o primeiro lugar para buscar sobre qualquer assunto quando se pensa em pesquisa acadêmica, seja ela do Direito ou de outras áreas. Indispensável!”

Além do Portal de Periódicos, a CAPES também disponibiliza um Catálogo de Teses e Dissertações, para pesquisas mais avançadas e/ou específicas.

2. SciELO – Scientific Eletronic Library Online

Em tradução literal: Biblioteca Eletrônica Científica Online. A SciELO é uma biblioteca científica que conta com a colaboração de diversos países.

Nela é possível encontrar periódicos científicos da África do Sul, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Espanha, México, Paraguai, Peru, Portugal, Uruguai e Venezuela. O Equador deve integrar a lista em breve.

“A SciELO pode ser uma fonte alternativa para os pesquisadores. Ela conta com o apoio de órgãos de peso na pesquisa brasileira e internacional, como o CNPq, a FAPESP, a própria CAPES e a OMS.”

3. Conjur

Criado em 1997, o Consultor Jurídico – ou Conjur – é um site que conta com centenas de milhares de publicações sobre Justiça e Direito, sendo um dos mais apontados por especialistas da área como fonte de novos temas e discussões para a pesquisa acadêmica.

Lá estão disponíveis notícias, artigos e entrevistas de diversos autores do âmbito jurídico. Também podem ser acessadas decisões judiciais, petições e outros documentos oficiais, totalizando mais de 25 mil arquivos.

“Este site traz colunas de importantes doutrinadores do âmbito jurídico e reveste-se de muita atualidade, além ofertar conteúdos breves e pontuais.”

4. Anais e revistas do CONPEDI

O Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (CONPEDI) é uma associação que incentiva e promove a pesquisa acadêmica e os estudos no âmbito jurídico no Brasil e no exterior.

Criado em 17 de outubro de 1989, o CONPEDI realiza encontros e congressos com pesquisadores dos quatro cantos do país. Em 2014, passou a integrar um grupo de promoção internacional de pesquisas jurídicas, de modo a projetar a produção científica nacional para o exterior.

“Os eventos do CONPEDI são os eventos mais importantes do Direito no Brasil. Assim, os seus anais e principalmente as Revistas são fontes seguras e importantes.”

Neste link é possível acessar as publicações disponibilizadas pelo CONPEDI.

5. Site do Supremo Tribunal Federal

O STF é nada menos que o mais importante tribunal do país.

Além de ser um tribunal de última instância, ou seja, que toma as decisões finais em pautas de grande importância, o Supremo é um tribunal que decide sobre questões de constitucionalidade, isto é, se ferem ou não a Constituição Federal de 1988 e suas normas.

Ele é composto por 11 juízes, chamados de ministros, que são nomeados pelo Presidente da República.

No site do STF é possível acessar notícias, estatísticas, jurisprudências, publicações diversas, uma biblioteca online e outros recursos que podem ser excelentes para a sua pesquisa!

“Considerando que a Constituição Federal é a base de todo o ordenamento jurídico e que a guarda dela é responsabilidade do STF, trata-se de uma importante, senão indispensável, fonte de pesquisa.”

Hora de praticar

Agora que você já sabe por onde iniciar a sua pesquisa, que tal publicar uma produção sua no Entrementes?

A semana acadêmica da FADISMA está com submissão aberta para trabalhos – até 11/09 – e inscrições abertas para ouvintes – até 02/10. Clique aqui para acessar o site do evento!

O Entrementes ocorrerá entre nos dias 9, 10 e 11 de outubro deste ano e contará também com a etapa final da Olimpíada Jurídica da FADISMA.

E aí, bora produzir?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *